A arte possibilita o enriquecimento da experiência humana por meio de vivências e apropriações subjetivas, e amplia a percepção de mundo e de sociedade em que vivemos. Por vezes é um alerta para a reflexão sobre em qual sociedade gostaríamos de viver. Havia no passado uma noção de que as tendências científicas e culturais procediam de um centro de referência – Europa ou Estados Unidos – para inspirar os artistas e cidadãos nas periferias do mundo. Com o avanço tecnológico, outras formas de relacionamento, apropriação e experimentação se estabeleceram no campo das artes e das ciências e, também, no ritmo das transformações culturais e sociais. Já não há um centro do qual se irradiam ideias e teorias definitivas.

É neste ambiente que a proposta de itinerância deste conjunto composto por dezesseis obras, doze delas premiadas e quatro que integraram os programas de residência do 17º Festival Internacional de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil, se insere, aproximando os múltiplos olhares e visões de mundo e de arte do cotidiano das pessoas em diferentes realidades do Brasil.

Parceiros desde 1992, o SESC e a Associação Cultural Videobrasil promovem o encontro da diversidade de expressões e a participação de artistas de diferentes territórios e culturas, ao mediar modos distintos de perceber e conceber as experiências do olhar. Trata-se de uma política integrada, centrada na democratização do acesso à cultura e ao fruir das artes, visando a autonomia e o protagonismo dos diversos cidadãos. Nesta Itinerância, busca-se, igualmente, fazer circular em Campinas, São José do Rio Preto e Santos – estratégicos polos de desenvolvimento que agregam diversas outras cidades – este acervo de obras instigantes, adotando estratégias de difusão e apreensão das propostas a partir de ações educativas, bem como de processos de mediação.

Esta proposta de ocupação artística com múltiplos estímulos e provocações aos sentidos e percepções é parte da responsabilidade do gestor em cultura, oferecendo condições para interações e apropriações em diversos níveis, sobretudo na perspectiva de estimular o respeito às diferenças e revigorar a capacidade de encantamento.