carla zaccagnini >> palavras-chave >>

comunicação > narrativa > deslocamento > travessia > registro > imagem > perspectiva > processo > experiência pessoal > experiência coletiva

contexto
Construído entre 1880 e 1914, o canal do Panamá tem 81 quilômetros de extensão e conecta os oceanos Atlântico e Pacífico. Por reduzir percursos e custos no trânsito de navios cargueiros entre os dois oceanos, tem importância fundamental para o comércio internacional. Bravo-Radio-Atlas-Virus-Opera é o registro, em tempo real, de uma travessia do canal do Panamá. Realizada pela artista em 2009, a viagem foi registrada por uma câmera posicionada no mastro da embarcação.
pesquisa
Os trabalhos de Carla Zaccagnini convidam o espectador a entrar em jogos de observação e reflexão em face de contextos específicos, tendo como ponto de partida questionamentos da artista sobre questões do âmbito da produção da arte atual, como os limites do registro e da comunicação de experiências processuais.

De acordo com a crítica de arte Kiki Mazzucchelli, as operações por trás da obra de Carla Zaccagnini criam “um jogo que delicadamente desestabiliza nossa percepção passiva das coisas”. “Questionadores, porém nunca panfletários; assim são seus trabalhos, pois não pretendem oferecer respostas prontas, mas sim examinar aquilo que é prontamente aceito como conhecimento ou, talvez, nos oferecer pistas que nos levam a pensar sobre como o senso comum é construído”, escreve no ensaio Carla Zaccagnini – Bifurcações e encruzilhadas: epistemologia e acaso.

processo
Em Bravo-Radio-Atlas-Virus-Opera, a perspectiva pouco convencional torna impossível identificar o lugar onde acontece o trajeto. O que o público vê é o barco aparentemente imóvel, e as águas que o cercam. A escolha desse ponto de vista, entre inúmeros possíveis, ressalta a impossibilidade de recriar ou repetir uma experiência – ou de representá-la de forma fiel. Na produção da artista, interessam as dinâmicas de produção de relatos, memória e transmissão de fatos; e também as experiências vividas à margem da história oficial, em que pessoal e coletivo se misturam e se constituem, revelando o narrador potencial em cada um.
+++ Carla Zaccagnini fala sobre sua participação na 28ª Bienal de São Paulo, com a obra Reação em cadeia com efeito variável (2008), aqui.
No site da galeria Vermelho, há exemplos de outras obras da artista, além de textos críticos. Clique para acessar.