milton machado, cacá vicalvi >> palavras-chave >>

arte > indústria > transformação > escultura > processos de trabalho > pintura > tempo > história da arte

contexto
Vermelho integrou a mostra Produção, realizada por Milton Machado na Galeria Nara Roesler, em São Paulo, em 2009. A exposição nasceu de incursões do artista a uma fábrica de móveis de metal, para pesquisar questões da pintura e da escultura. Machado já havia trabalhado com mapotecas de metal em sua instalação Hi-fi, na 19ª Bienal de São Paulo, em 1987.

Em Produção, Machado traz objetos e imagens da esfera industrial para o espaço da galeria, e armazena as obras da reserva técnica como se fossem peças de uma linha de montagem industrial. Carregados de potência plástica, as instalações, vídeos, objetos e fotos da exposição retomam o conceito de readymade de Marcel Duchamp (1887-1968), fundamento da arte conceitual.

pesquisa
O trabalho de Milton Machado busca evidenciar relações entre esferas aparentemente distintas: arquitetônico e pictórico, familiar e político, arte e indústria. O artista evita ser explícito: utilizando recursos da crítica, do humor, da ironia e da desilusão, prefere criar fábulas, narrativas visuais.

Vermelho é uma construção poética em torno das linguagens e dos processos da escultura e da pintura; a obra aborda relações entre processos que constituem as práticas artísticas. Também questiona o lugar da arte. No vídeo, a placa vermelha fica detida em um lugar por onde deveria apenas passar, caso seguisse o curso natural de seu destino: tornar-se porta de carro ou geladeira.

referências
Vermelho remete aos monocromos, termo que designa pinturas que trabalham com uma única cor. Pesquisas centradas em monocromos mobilizaram artistas como o russo Kasimir Malevitch (1878-1935), o francês Yves Klein (1928-1962) e o alemão Josef Albers (1888-1976). Na década de 1960, com a arte conceitual, esse tipo de pintura voltou ao centro das atenções.
processo
Vermelho nasce do encontro do artista, na fábrica de móveis, com a câmara onde as chapas de aço recebem cor – um túnel de lavagem, secagem e pintura industrial. Segundo o crítico Paulo Venancio Filho, o que Machado encontrou aí foi, mais do que um mecanismo industrial, a própria “produção da pintura”. “De fato, o que a exposição apresenta não é pintura na forma do objeto pintado, mas a própria produção de uma experiência da pintura que suscita e provoca a pintura em nós, espectadores”, afirma.
+++ Milton Machado fala sobre a obra Vermelho no youtube.